Praticar exercício físico ao frio pode ajudar a queimar gordura com mais facilidade

Pixabay

Um novo estudo descobriu que enfrentar o frio pode ser uma boa maneira de ajudar a queimar calorias. O tamanho da amostra pode ser pequeno, mas a pesquisa sugere que a temperatura ambiente durante o exercício pode ter um grande influência no metabolismo.

A pesquisa foi realizada por cientistas da Universidade Laurentian e concentrou-se no treino de alta intensidade, também conhecido como HIIT, onde exercícios curtos e intensos são intercalados com sessões de baixa intensidade.

A popularidade deste formato cresceu recentemente devido aos benefícios na queima de gordura. Agora, a equipa começou a explorar de que forma a temperatura ambiente pode influenciar e ajudar a trazer mais efeitos.

Os investigadores analisaram pesquisas anteriores que demonstram como os exercícios de HIIT são benéficos para o metabolismo lipídico, ou a quebra e armazenamento de gorduras. Um outro fator relevante descoberto foi o facto de a temperatura ambiente ser um ponto importante no metabolismo durante o exercício e depois no período de repouso. Isso levou a equipa a elaborar um estudo que investiga de que forma o HIIT, o metabolismo e a temperatura ambiente podem estar relacionados.

O estudo, publicado no Journal of Applied Physiology a 3 de dezembro, envolveu 11 adultos ativos, mas com excesso de peso, que participaram em duas sessões de HIIT com o intervalo de uma semana.

Um deles foi realizado num ambiente “termo neutro” com temperaturas por volta dos dos 21 ° C, e o outro com uma temperatura de cerca de 0 ° C. As sessões consistiam em 10 sprints de ciclismo separados com 90% de esforço e com uma duração de um minuto cada, seguidos por períodos de 90 segundos de “recuperação” de ciclismo com 30% de intensidade.

Após cada sessão, os participantes pedalaram ou caminharam suavemente, comeram uma barra nutricional antes de dormir e tomaram um pequeno almoço com alto teor de gordura na manhã seguinte.

Durante as sessões, os cientistas monitorizaram a temperatura da pele, a temperatura corporal central, a frequência cardíaca, a quantidade de oxigénio, os níveis de glicose, o oxigénio geral, os níveis de dióxido de carbono e os níveis de troca gasosa. Também foram recolhidas amostras de sangue para ajudar a calcular as taxas de queima de gordura.

“O estudo descobriu que exercícios de alta intensidade no frio aumentaram a oxidação de lipídios em 358% durante a sessão de exercícios em comparação com exercícios de alta intensidade num ambiente termo neutro”, escreveu a equipa.

Porém, como avança o New Atlas, apesar das conclusões apresentadas, a ideia de que as temperaturas mais frias podem ajudar a queimar mais gordura durante o exercício precisa de uma investigação mais detalhada, embora o estudo indique que esta é uma possibilidade que vale a pena estudar.

[sc name=”assina” by=”Ana Moura, ZAP” ]
PARTILHAR

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

- Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está a …

Trovants, as estranhas "pedras vivas" da Roménia que intrigam moradores (e fascinam cientistas)

Costesti, uma pequena cidade na Roménia, é o lar de estranhas manifestações geológicas que intrigam os habitantes locais com a sua aparência orgânica. Estas "pedras vivas" inspiram mitos sobre a capacidade de crescerem e moverem-se …

Cientistas descobrem (acidentalmente) nova espécie de cobra que estava escondida, porém à vista de todos

Jeff Weinell, investigador no Instituto de Biodiversidade da Universidade de Kansas, descobriu que três espécies de cobras preservadas na coleção de biodiversidade, encontradas em missões entre 2006 e 2012, e ignoradas até agora, pertenciam a …

Cientistas criam mini robô que navega pelo sistema vascular cerebral

Uma equipa de cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, aproveitou a energia hidrocinética, a energia mecânica resultante do movimento de líquidos, para chegar a lugares do corpo humano sem recorrer a …

Cientistas podem ter detetado pela primeira vez o nascimento de um magnetar devido a uma colisão colossal

Há muito tempo, no Universo distante, uma enorme explosão de raios-gama libertou mais energia em meio segundo do que o Sol irá produzir durante a sua vida inteira de 10 mil milhões de anos. Depois de …

Flor com mais de 100 milhões de anos foi preservada até agora por âmbar birmanês

Um grupo de investigadores da Oregon State University identificou um novo género de uma flor do período médio do Cretáceo. Esta foi encontrada congelada no tempo por âmbar birmanês. George Poinar Jr., professor da Faculdade de …

Novo tratamento pode travar sintomas da covid-19

No Reino Unido, uma equipa de cientistas acabou de recrutar os primeiros participantes de um novo estudo de anticorpos de longa ação. Se o tratamento for eficaz, pode dar àqueles que já foram expostos ao …

Ondulações no espaço-tempo podem fornecer pistas sobre os componentes ausentes do Universo

Quase tudo encaixa na Teoria do Universo. Alguns cientistas defendem que as ondulações subtis na estrutura do espaço-tempo podem ajudar a encontrar a peça em falta. As ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço-tempo que …

O fumo dos incêndios florestais esconde uma ameaça pouco conhecida: micróbios infecciosos

Este ano foi especialmente problemático no que toca a incêndios florestais. Além das inúmeras consequências já conhecidas da inalação do fumo, há mais uma ameaça até agora pouco conhecida: pode ser uma nova rota de …

Califórnia vai ter os primeiros veículos de entrega totalmente autónomos

https://vimeo.com/498001611 Quase três anos depois de ter revelado o seu veículo de entrega autónomo, a startup Nuro teve finalmente luz verde para iniciar as operações comerciais na Califórnia. Embora seja um veículo totalmente autónomo, o R2 foi …