O flúor pode substituir o lítio em baterias recarregáveis

O aumento do uso de baterias recarregáveis tem levado os investigadores a procurar alternativas às baterias de iões de lítio e uma equipa de cientistas está a testar baterias de iões de flúor como possíveis substitutos em veículos elétricos.

De acordo com os cientistas, estas baterias podem permitir que veículos elétricos percorram 1.000 quilómetros com uma única carga. O único senão é que as baterias de iões de fluoreto atualmente disponíveis têm baixa ciclabilidade, o que significa que tendem a degradar-se rapidamente com ciclos de carga e descarga.

No novo trabalho, cujo artigo científico foi publicado no Journal of Materials Chemistry, os investigadores adotaram uma abordagem diferente, identificando materiais que facilmente ganham ou perdem iões de fluoreto enquanto passam por pequenas mudanças estruturais para permitir uma boa ciclabilidade: eletrídeos em camadas.

Os eletrídeos são uma classe relativamente nova de materiais que os cientistas conhecem há cerca de 50 anos, mas só nos últimos 10 a 15 anos é que as suas propriedades foram melhor compreendidas, disse Rohan Mishra, professor assistente de engenharia mecânica e ciência dos materiais na Washington University, citado pelo Futurity.

Enquanto os materiais conduzem eletrões como metais comuns, nos eletrídeos, os eletrões residem em locais intersticiais específicos dentro da estrutura do cristal, semelhante a um ião.

“Prevemos que esses eletrões intersticiais podem ser facilmente substituídos por iões de fluoreto sem deformações significativas na estrutura do cristal, permitindo assim a ciclabilidade”, adiantou Mishra. “Os iões de fluoreto também se movem ou difundem com muita facilidade devido à estrutura relativamente aberta dos eletrídeos em camadas.”

Os testes computorizados introduziram flúor nos espaços intersticiais dos eletrídeos em camadas de nitreto de dicálcio e hipocarbeto de ítrio e as capacidades de armazenamento de energia revelaram-se muito próximas do desempenho das baterias de iões de lítio.

É possível adicionar iões de fluoreto aos eletrídeos convencionais para armazenar uma grande quantidade de carga, mas, na prática, as capacidades teóricas são difíceis de alcançar, uma vez que os eletrídeos convencionais incham e encolhem à medida que carregam e descarregam.

Minimizar a alteração de volume e forma é essencial para criar uma bateria de flúor durável. No caso dos eletrídeos em camadas, as mudanças estruturais são significativamente inferiores, o que ajuda a alcançar uma vida útil mais longa.

[sc name=”assina” by=”Liliana Malainho, ZAP” url=”” source=””]
PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

- Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está a …

Trovants, as estranhas "pedras vivas" da Roménia que intrigam moradores (e fascinam cientistas)

Costesti, uma pequena cidade na Roménia, é o lar de estranhas manifestações geológicas que intrigam os habitantes locais com a sua aparência orgânica. Estas "pedras vivas" inspiram mitos sobre a capacidade de crescerem e moverem-se …

Cientistas descobrem (acidentalmente) nova espécie de cobra que estava escondida, porém à vista de todos

Jeff Weinell, investigador no Instituto de Biodiversidade da Universidade de Kansas, descobriu que três espécies de cobras preservadas na coleção de biodiversidade, encontradas em missões entre 2006 e 2012, e ignoradas até agora, pertenciam a …

Cientistas criam mini robô que navega pelo sistema vascular cerebral

Uma equipa de cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, aproveitou a energia hidrocinética, a energia mecânica resultante do movimento de líquidos, para chegar a lugares do corpo humano sem recorrer a …

Cientistas podem ter detetado pela primeira vez o nascimento de um magnetar devido a uma colisão colossal

Há muito tempo, no Universo distante, uma enorme explosão de raios-gama libertou mais energia em meio segundo do que o Sol irá produzir durante a sua vida inteira de 10 mil milhões de anos. Depois de …

Flor com mais de 100 milhões de anos foi preservada até agora por âmbar birmanês

Um grupo de investigadores da Oregon State University identificou um novo género de uma flor do período médio do Cretáceo. Esta foi encontrada congelada no tempo por âmbar birmanês. George Poinar Jr., professor da Faculdade de …

Novo tratamento pode travar sintomas da covid-19

No Reino Unido, uma equipa de cientistas acabou de recrutar os primeiros participantes de um novo estudo de anticorpos de longa ação. Se o tratamento for eficaz, pode dar àqueles que já foram expostos ao …

Ondulações no espaço-tempo podem fornecer pistas sobre os componentes ausentes do Universo

Quase tudo encaixa na Teoria do Universo. Alguns cientistas defendem que as ondulações subtis na estrutura do espaço-tempo podem ajudar a encontrar a peça em falta. As ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço-tempo que …

O fumo dos incêndios florestais esconde uma ameaça pouco conhecida: micróbios infecciosos

Este ano foi especialmente problemático no que toca a incêndios florestais. Além das inúmeras consequências já conhecidas da inalação do fumo, há mais uma ameaça até agora pouco conhecida: pode ser uma nova rota de …

Califórnia vai ter os primeiros veículos de entrega totalmente autónomos

https://vimeo.com/498001611 Quase três anos depois de ter revelado o seu veículo de entrega autónomo, a startup Nuro teve finalmente luz verde para iniciar as operações comerciais na Califórnia. Embora seja um veículo totalmente autónomo, o R2 foi …