Vulcões “stressados” têm maior probabilidade de entrar em erupção

Um novo estudo descobriu que os vulcões sofrem de stresse. A pesquisa pode fornecer indicadores relevantes que podem ajudar a que o mundo se proteja contra futuros desastres causados por estas estruturas geológicas.

O colapso vulcânico pode desencadear tsunamis perigosos ou fluxos piroclásticos devastadores, por isso quanto mais informação houver sobre estes, mais facilmente as populações se conseguem proteger de efeitos catastróficos.

Contudo, e de acordo com a equipa de investigação, é importante não esquecer que este processo não é simples. “Estes acontecimentos são muito difíceis de prever porque muitas das vezes não sabemos o que está a ocorrer dentro dos vulcões ativos, e quais são as forças que os podem tornar instáveis”, refere Sam Thiele, autor do estudo.

Ainda assim, o investigador explica que “a pesquisa sobre o crescimento dos vulcões ajuda a entender os processos internos e as forças associadas que podem desencadear um colapso ou uma erupção mortal para as populações”.

A equipa de pesquisa usou drones para criar um mapa de resolução da estrutura interna de um vulcão agora adormecido em La Palma, nas Ilhas Canárias, e mediu a largura de centenas de milhares de fissuras através das quais o magma fluiu durante erupções anteriores.

Isso permitiu aos cientistas perceber quais são as forças que agem dentro do vulcão e mostrar que estas aumentam lentamente ao longo do tempo, fazendo com que o vulcão se torne “stressado” e potencialmente instável.

Através da medição das fissuras por onde o magma foi anteriormente transportado, a equipa conseguiu entender quais as forças envolvidas, o que ajuda a prever futuras erupções vulcânicas, avança o SciTechDaily.

As características geológicas que os especialistas analisaram são formadas quando intrusões derretidas, chamadas diques, se solidificam para formar uma base dentro do que seria uma estrutura comparativamente fraca composta principalmente por camadas de lava e cinzas.

“Este é um dos primeiros estudos a examinar os efeitos a longo prazo do movimento do magma dentro de um vulcão”, afirma o co-autor do estudo, Sandy Cruden.

O geólogo revela que o grupo de investigadores descobriu que “os vulcões ficam gradualmente “stressados​ “pelo movimento repetido do magma, o que potencialmente desestabiliza todo o vulcão, influenciando assim colapsos e erupções futuras”.

O estudo foi publicado na revista Scientific Reports em outubro.

[sc name=”assina” by=”Ana Moura, ZAP” ]
PARTILHAR

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

- Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está a …

Trovants, as estranhas "pedras vivas" da Roménia que intrigam moradores (e fascinam cientistas)

Costesti, uma pequena cidade na Roménia, é o lar de estranhas manifestações geológicas que intrigam os habitantes locais com a sua aparência orgânica. Estas "pedras vivas" inspiram mitos sobre a capacidade de crescerem e moverem-se …

Cientistas descobrem (acidentalmente) nova espécie de cobra que estava escondida, porém à vista de todos

Jeff Weinell, investigador no Instituto de Biodiversidade da Universidade de Kansas, descobriu que três espécies de cobras preservadas na coleção de biodiversidade, encontradas em missões entre 2006 e 2012, e ignoradas até agora, pertenciam a …

Cientistas criam mini robô que navega pelo sistema vascular cerebral

Uma equipa de cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, aproveitou a energia hidrocinética, a energia mecânica resultante do movimento de líquidos, para chegar a lugares do corpo humano sem recorrer a …

Cientistas podem ter detetado pela primeira vez o nascimento de um magnetar devido a uma colisão colossal

Há muito tempo, no Universo distante, uma enorme explosão de raios-gama libertou mais energia em meio segundo do que o Sol irá produzir durante a sua vida inteira de 10 mil milhões de anos. Depois de …

Flor com mais de 100 milhões de anos foi preservada até agora por âmbar birmanês

Um grupo de investigadores da Oregon State University identificou um novo género de uma flor do período médio do Cretáceo. Esta foi encontrada congelada no tempo por âmbar birmanês. George Poinar Jr., professor da Faculdade de …

Novo tratamento pode travar sintomas da covid-19

No Reino Unido, uma equipa de cientistas acabou de recrutar os primeiros participantes de um novo estudo de anticorpos de longa ação. Se o tratamento for eficaz, pode dar àqueles que já foram expostos ao …

Ondulações no espaço-tempo podem fornecer pistas sobre os componentes ausentes do Universo

Quase tudo encaixa na Teoria do Universo. Alguns cientistas defendem que as ondulações subtis na estrutura do espaço-tempo podem ajudar a encontrar a peça em falta. As ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço-tempo que …

O fumo dos incêndios florestais esconde uma ameaça pouco conhecida: micróbios infecciosos

Este ano foi especialmente problemático no que toca a incêndios florestais. Além das inúmeras consequências já conhecidas da inalação do fumo, há mais uma ameaça até agora pouco conhecida: pode ser uma nova rota de …

Califórnia vai ter os primeiros veículos de entrega totalmente autónomos

https://vimeo.com/498001611 Quase três anos depois de ter revelado o seu veículo de entrega autónomo, a startup Nuro teve finalmente luz verde para iniciar as operações comerciais na Califórnia. Embora seja um veículo totalmente autónomo, o R2 foi …