Trovants, as estranhas “pedras vivas” da Roménia que intrigam moradores (e fascinam cientistas)

Nicubunu / Wikimedia

Trovants, as estranhas “pedras vivas” da Roménia

Costesti, uma pequena cidade na Roménia, é o lar de estranhas manifestações geológicas que intrigam os habitantes locais com a sua aparência orgânica. Estas “pedras vivas” inspiram mitos sobre a capacidade de crescerem e moverem-se como se fossem seres vivos, em vez de objetos inanimados.

 

[sc name=”covid” ]

 

[sc name=”ZAPV” url=”https://player.vimeo.com/external/497951134.m3u8?s=199ed0a76ed1a6aa6caf191bfb09607e9002e625&oauth2_token_id=1275135991″ thumb=”https://i.vimeocdn.com/video/1030464296_1920x1080.jpg” src=”https://vimeo.com/497951134″]

De acordo com o Science Alert, os trovants variam muito em forma e em tamanho: alguns cabem confortavelmente na palma da mão, enquanto outros atingem os 4,5 metros de altura. Dos cerca de 100 trovants conhecidos, vistos em pelo menos 20 locais na Roménia, alguns só foram desenterrados depois de a areia à sua volta ter sido retirada.

Moldadas por terramotos há cerca de 6 milhões de anos, estas pedras são um tipo de concreção – grãos de areia sedimentares ou rochas unidas por um cimento de calcário (carbonato de cálcio).

“Algumas rochas são feitas de arenito, outras de cascalho”, disse Florin Stoican, gerente do Parque Nacional Buila-Vanturarita, à Radio Romania International, em 2010. “Na terminologia geológica, são feitos de arenito e conglomerados.”

Como os cientistas não encontraram nenhuma diferença entre os trovants e o substrato de areia circundante, suspeitam de que as formas esféricas foram formadas pela atividade sísmica intensa e de longa duração do Mioceno Médio.

As ondas de choque emanadas da Terra compactaram os sedimentos arenosos e concentraram o cimento calcário para moldar estas rochas incomuns.

À medida que o tempo foi passando, o arenito mais solto desgastou-se e expôs os trovants mais densos. Segundo o portal, as rochas não se movem tanto quanto os seres vivos, mas crescem cerca de 4 a 5 centímetros a cada 1.200 anos.

Estas formações movem-se muito lentamente e enfrentam mudanças na forma após períodos de chuva. A humidade também pode fazer com que estas estranhas rochas inchem de forma considerável, causando a impressão de um aumento imediato no tamanho.

[sc name=”assina” by=”Liliana Malainho, ZAP” url=”” source=””]
PARTILHAR

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

- Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está a …

Trovants, as estranhas "pedras vivas" da Roménia que intrigam moradores (e fascinam cientistas)

Costesti, uma pequena cidade na Roménia, é o lar de estranhas manifestações geológicas que intrigam os habitantes locais com a sua aparência orgânica. Estas "pedras vivas" inspiram mitos sobre a capacidade de crescerem e moverem-se …

Cientistas descobrem (acidentalmente) nova espécie de cobra que estava escondida, porém à vista de todos

Jeff Weinell, investigador no Instituto de Biodiversidade da Universidade de Kansas, descobriu que três espécies de cobras preservadas na coleção de biodiversidade, encontradas em missões entre 2006 e 2012, e ignoradas até agora, pertenciam a …

Cientistas criam mini robô que navega pelo sistema vascular cerebral

Uma equipa de cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, aproveitou a energia hidrocinética, a energia mecânica resultante do movimento de líquidos, para chegar a lugares do corpo humano sem recorrer a …

Cientistas podem ter detetado pela primeira vez o nascimento de um magnetar devido a uma colisão colossal

Há muito tempo, no Universo distante, uma enorme explosão de raios-gama libertou mais energia em meio segundo do que o Sol irá produzir durante a sua vida inteira de 10 mil milhões de anos. Depois de …

Flor com mais de 100 milhões de anos foi preservada até agora por âmbar birmanês

Um grupo de investigadores da Oregon State University identificou um novo género de uma flor do período médio do Cretáceo. Esta foi encontrada congelada no tempo por âmbar birmanês. George Poinar Jr., professor da Faculdade de …

Novo tratamento pode travar sintomas da covid-19

No Reino Unido, uma equipa de cientistas acabou de recrutar os primeiros participantes de um novo estudo de anticorpos de longa ação. Se o tratamento for eficaz, pode dar àqueles que já foram expostos ao …

Ondulações no espaço-tempo podem fornecer pistas sobre os componentes ausentes do Universo

Quase tudo encaixa na Teoria do Universo. Alguns cientistas defendem que as ondulações subtis na estrutura do espaço-tempo podem ajudar a encontrar a peça em falta. As ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço-tempo que …

O fumo dos incêndios florestais esconde uma ameaça pouco conhecida: micróbios infecciosos

Este ano foi especialmente problemático no que toca a incêndios florestais. Além das inúmeras consequências já conhecidas da inalação do fumo, há mais uma ameaça até agora pouco conhecida: pode ser uma nova rota de …

Califórnia vai ter os primeiros veículos de entrega totalmente autónomos

https://vimeo.com/498001611 Quase três anos depois de ter revelado o seu veículo de entrega autónomo, a startup Nuro teve finalmente luz verde para iniciar as operações comerciais na Califórnia. Embora seja um veículo totalmente autónomo, o R2 foi …