Nova tecnologia ajuda os peixes a ultrapassarem as barragens (e isso pode salvá-los)

[sc name=”ZAPV” url=”https://player.vimeo.com/external/495206871.m3u8?s=848482c062f397b3422b54e1956d3916d06d882c&oauth2_token_id=1275135991″ thumb=”https://i.vimeocdn.com/video/1024422321_1920x1080.jpg” src=”https://vimeo.com/495206871″]

A nova tecnologia permite que os peixes passem pelas paredes das barragens. O objetivo é revitalizar a quantidade destes animais de água doce.

Um grupo de engenheiros e cientistas da UNSW Sydney descobriu uma forma de fazer com que os peixes passem pelas paredes das barragens, uma vez que estas têm bloqueado a sua migração nos rios australianos.

O chamado tubo de passagem para peixes é uma instalação de baixo custo e que gasta pouca energia. A ideia é bombear peixes a alta velocidade, através de um tubo que passa sobre a barreira de obstrução, para entregá-los com segurança na água que está do outro lado da barragem.

As novas passagens têm o potencial de voltar a conectar as populações de peixes em toda a Austrália – e potencialmente no mundo – onde, por exemplo, infra-estruturas como barragens estão associadas a um declínio dos ecossistemas de peixes de água doce no último meio século.

O professor Richard Kingsford, diretor do Centro de Ciência do Ecossistema da Escola de Ciências Biológicas, Terrestres e Ambientais da UNSW, afirma que estas infra-estruturas interromperam os ciclos de reprodução dos peixes já que muitos destes são impedidos de migrar.

Desta forma, um grupo de cientistas e engenheiros da UNSW uniu-se para chegar a uma solução relativamente barata, facilmente adaptável ao ambiente local e mais amiga do ambiente. Assim, os especialistas construíram e testaram um protótipo de passagem para peixes em Manly Vale.

Numa encosta perto da universidade, dois grandes tanques foram ligados por dois canos que bombeavam água de um lado para o outro. No tanque da parte inferior da encosta um pequeno robalo australiano foi incentivado a entrar numa câmara antes de ser bombeado a alta velocidade em direção a um tanque localizado numa zona mais acima na encosta.

Num ambiente comercial, as instalações da passagem para peixes deverão usar tubos de conexão consideravelmente maiores do que o de 90 mm usado no protótipo.

“O nosso trabalho mostra que este sistema irá funcionar de forma confiável em tubos de pelo menos um metro de diâmetro, transportando peixes a mais de 100 metros na ​​vertical”, garante Bill Peirson, um dos especialistas envolvidos na construção da tecnologia, num relatório.

O grupo está agora a procurar uma oportunidade para implementar a passagem para peixes numa instalação comercial e por isso está em negociações com a Câmara Municipal de Parramatta.

[sc name=”assina” by=”Ana Moura, ZAP” ]
PARTILHAR

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

- Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está a …

Trovants, as estranhas "pedras vivas" da Roménia que intrigam moradores (e fascinam cientistas)

Costesti, uma pequena cidade na Roménia, é o lar de estranhas manifestações geológicas que intrigam os habitantes locais com a sua aparência orgânica. Estas "pedras vivas" inspiram mitos sobre a capacidade de crescerem e moverem-se …

Cientistas descobrem (acidentalmente) nova espécie de cobra que estava escondida, porém à vista de todos

Jeff Weinell, investigador no Instituto de Biodiversidade da Universidade de Kansas, descobriu que três espécies de cobras preservadas na coleção de biodiversidade, encontradas em missões entre 2006 e 2012, e ignoradas até agora, pertenciam a …

Cientistas criam mini robô que navega pelo sistema vascular cerebral

Uma equipa de cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, aproveitou a energia hidrocinética, a energia mecânica resultante do movimento de líquidos, para chegar a lugares do corpo humano sem recorrer a …

Cientistas podem ter detetado pela primeira vez o nascimento de um magnetar devido a uma colisão colossal

Há muito tempo, no Universo distante, uma enorme explosão de raios-gama libertou mais energia em meio segundo do que o Sol irá produzir durante a sua vida inteira de 10 mil milhões de anos. Depois de …

Flor com mais de 100 milhões de anos foi preservada até agora por âmbar birmanês

Um grupo de investigadores da Oregon State University identificou um novo género de uma flor do período médio do Cretáceo. Esta foi encontrada congelada no tempo por âmbar birmanês. George Poinar Jr., professor da Faculdade de …

Novo tratamento pode travar sintomas da covid-19

No Reino Unido, uma equipa de cientistas acabou de recrutar os primeiros participantes de um novo estudo de anticorpos de longa ação. Se o tratamento for eficaz, pode dar àqueles que já foram expostos ao …

Ondulações no espaço-tempo podem fornecer pistas sobre os componentes ausentes do Universo

Quase tudo encaixa na Teoria do Universo. Alguns cientistas defendem que as ondulações subtis na estrutura do espaço-tempo podem ajudar a encontrar a peça em falta. As ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço-tempo que …

O fumo dos incêndios florestais esconde uma ameaça pouco conhecida: micróbios infecciosos

Este ano foi especialmente problemático no que toca a incêndios florestais. Além das inúmeras consequências já conhecidas da inalação do fumo, há mais uma ameaça até agora pouco conhecida: pode ser uma nova rota de …

Califórnia vai ter os primeiros veículos de entrega totalmente autónomos

https://vimeo.com/498001611 Quase três anos depois de ter revelado o seu veículo de entrega autónomo, a startup Nuro teve finalmente luz verde para iniciar as operações comerciais na Califórnia. Embora seja um veículo totalmente autónomo, o R2 foi …