OMS alerta para mais rapidez na descoberta de novas variantes do vírus

Jean-Christophe Bott / EPA

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou que vão continuar a surgir variantes do novo coronavírus e que é preciso acelerar o processo de descoberta e sequenciação genética para as acompanhar.

“Quanto mais um vírus circula, mais oportunidades tem para mudar. Estas mudanças são normais e expectáveis, mas a maior parte pouco efeito tem no seu comportamento”, afirmou a principal responsável técnica da luta contra a pandemia da covid-19, Maria van Kerkhove.

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, salientou que é preciso aumentar a capacidade de os laboratórios em todo o mundo serem capazes de descobrir as sequências genómicas das mutações do vírus que forem aparecendo, o que só se consegue com testagem.

Van Kerkhove indicou que as variantes até agora encontradas, originárias do Reino Unido e na África do Sul são diferentes entre si, embora se manifestem na mesma proteína do SARS-CoV-2.

Aquela que foi detetada primeiro no Reino Unido (e, entretanto, em outros países, incluindo Portugal) “não apresenta diferenças significativas nas hospitalizações ou mortalidade” que provoca, reiterou, mas tem maior transmissibilidade, o que se poderá explicar porque as pessoas em que foi detetada apresentam “maior carga viral”, referiu.

Maria van Kerkhove salientou que os estudos sobre as variantes, em que se procura determinar se são mais resistentes às vacinas já provadas, entre outros aspetos, demoram tempo, referindo que nos próximos dias se deverão conhecer mais conclusões da investigação em curso, pelo menos sobre a variante do Reino Unido.

A epidemiologista norte-americana salientou que até agora, “todas as variantes descobertas podem ser controladas com as medidas que já se tomam” desde o início da pandemia.

Quanto às restrições nas fronteiras à entrada de pessoas oriundas de países que comunicam a existência destas variantes, a OMS considera que “mais importante que bloquear fronteiras é tentar diminuir a transmissão” do vírus na comunidade, mas continua a deixar ao critério de cada país o controlo das suas fronteiras.

No entanto, o diretor do programa de emergências sanitárias da OMS, Mike Ryan, salientou que “os países não devem ser castigados” por partilharem abertamente informação sobre a existência de novas mutações em circulação na sua população.

Mike Ryan afirmou que passado um ano sobre a descoberta de casos de pneumonia de origem desconhecida na cidade chinesa de Wuhan, o mundo está mais bem preparado para lidar com uma pandemia como a que ali começou no fim do ano passado, mas que “esta ainda não foi ‘The Big One'”.

[sc name=”assina” by=”ZAP” ]
PARTILHAR

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

- Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está a …

Trovants, as estranhas "pedras vivas" da Roménia que intrigam moradores (e fascinam cientistas)

Costesti, uma pequena cidade na Roménia, é o lar de estranhas manifestações geológicas que intrigam os habitantes locais com a sua aparência orgânica. Estas "pedras vivas" inspiram mitos sobre a capacidade de crescerem e moverem-se …

Cientistas descobrem (acidentalmente) nova espécie de cobra que estava escondida, porém à vista de todos

Jeff Weinell, investigador no Instituto de Biodiversidade da Universidade de Kansas, descobriu que três espécies de cobras preservadas na coleção de biodiversidade, encontradas em missões entre 2006 e 2012, e ignoradas até agora, pertenciam a …

Cientistas criam mini robô que navega pelo sistema vascular cerebral

Uma equipa de cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, aproveitou a energia hidrocinética, a energia mecânica resultante do movimento de líquidos, para chegar a lugares do corpo humano sem recorrer a …

Cientistas podem ter detetado pela primeira vez o nascimento de um magnetar devido a uma colisão colossal

Há muito tempo, no Universo distante, uma enorme explosão de raios-gama libertou mais energia em meio segundo do que o Sol irá produzir durante a sua vida inteira de 10 mil milhões de anos. Depois de …

Flor com mais de 100 milhões de anos foi preservada até agora por âmbar birmanês

Um grupo de investigadores da Oregon State University identificou um novo género de uma flor do período médio do Cretáceo. Esta foi encontrada congelada no tempo por âmbar birmanês. George Poinar Jr., professor da Faculdade de …

Novo tratamento pode travar sintomas da covid-19

No Reino Unido, uma equipa de cientistas acabou de recrutar os primeiros participantes de um novo estudo de anticorpos de longa ação. Se o tratamento for eficaz, pode dar àqueles que já foram expostos ao …

Ondulações no espaço-tempo podem fornecer pistas sobre os componentes ausentes do Universo

Quase tudo encaixa na Teoria do Universo. Alguns cientistas defendem que as ondulações subtis na estrutura do espaço-tempo podem ajudar a encontrar a peça em falta. As ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço-tempo que …

O fumo dos incêndios florestais esconde uma ameaça pouco conhecida: micróbios infecciosos

Este ano foi especialmente problemático no que toca a incêndios florestais. Além das inúmeras consequências já conhecidas da inalação do fumo, há mais uma ameaça até agora pouco conhecida: pode ser uma nova rota de …

Califórnia vai ter os primeiros veículos de entrega totalmente autónomos

https://vimeo.com/498001611 Quase três anos depois de ter revelado o seu veículo de entrega autónomo, a startup Nuro teve finalmente luz verde para iniciar as operações comerciais na Califórnia. Embora seja um veículo totalmente autónomo, o R2 foi …