“As Meninas”. Pequeno jarro vermelho revela sentido oculto de pintura de Velázquez

Na obra-prima “As Meninas”, pintada pelo espanhol Diego Velázquez, há um pequeno jarro de barro vermelho que pode passar despercebido – mas que guarda um sentido oculto da pintura.

A pintura do espanhol Diego Velázquez, criada em 1656, mostra um autorretrato do artista aos 57 anos, quatro anos antes da sua morte em 1660 — e depois de ter passado as últimas três décadas como pintor da corte do rei Felipe IV.

Com a paleta em mãos, do lado esquerdo da cena, a pintura em tamanho natural de Velázquez observa o espectador como se fosse o objeto que está a tentar capturar na enorme tela à sua frente.

No centro do quadro, vemos a infanta Margarita, filha do rei Felipe IV e de Mariana da Áustria, com duas damas de companhia ao seu lado. O resto do aposento tenuamente iluminado do Palácio Real de Madrid completa-se com um grupo heterogéneo de cortesãos.

À esquerda da porta, um espelho reflete como espectros os rostos do rei e da rainha, cuja localização no mundo da obra é desconhecida.  Estes aspetos da obra — a porta aberta e os rostos no espelho — levaram muitos especialistas a suspeitar que há muito mais em ação na pintura do que os nossos olhos conseguem ver.

A presença “ausente” do rei e da rainha obriga a concluir que se trata de uma obra filosófica sobre a substância da matéria e a natureza da existência do agora.

O enigma do reflexo garante que não sejamos espetadores passivos, mas que procuremos ativamente compreender em que parte do mundo se encontram. O espelho coloca-os onde estamos, como sujeitos de um retrato que Velázquez está a pintar? Ou o espelho revela o que já está naquela grande tela, da qual só vemos o verso?

O quadro brinca com o nosso olhar. Por um lado, as linhas de perspetiva da tela convergem e direcionam o olhar para um ponto de fuga: a porta. Por outro lado, o espelho chama a atenção para a parte posterior da pintura para avaliar a possível posição dos espectros reais.

O misterioso jarro vermelho

Há um objeto que talvez ofereça uma pista material para o efeito pretendido pela obra-prima de Velázquez na nossa consciência: um ponto vermelho vibrante na forma de um pequeno jarro.

Conhecida como búcaro, a simples peça de cerâmica era um dos muitos artesanatos que os exploradores espanhóis levavam do Novo Mundo para o Velho Mundo nos séculos XVI e XVII.

Segundo o historiador de arte Byron Ellsworth Hamann, que estudou cuidadosamente a origem de muitos dos objetos que aparecem nos quadros de Velázquez, incluindo a bandeja de prata de “As Meninas”, o brilho característico do jarro e o tom avermelhado distinguem-no como um produto de Guadalajara, no México. Uma mistura de especiarias incorporadas na argila quando o vaso era fabricado garantia que qualquer líquido contido ali fosse delicadamente perfumado.

Porém, o búcaro era conhecido por cumprir outra função mais surpreendente. Nos círculos aristocráticos espanhóis do século XVII, tornou-se moda entre meninas e jovens mulheres mordiscar as bordas dos jarros de argila e lentamente devorá-los por completo.

Uma consequência química do consumo da argila era um drástico clareamento da pele, o que, na época, era uma aspiração estética e uma demonstração de riqueza, ao indicar que o sustento da pessoa não dependia do trabalho feito sob o sol que escurece a pele.

Consumir a argila do búcaro era menos perigoso do que algumas alternativas contemporâneas, como espalhar uma pasta veneziana feita de chumbo, vinagre e água no rosto, que resultava no envenenamento do sangue, queda de cabelo e morte.

Porém, a ingestão da argila também causava a redução dos glóbulos vermelhos, paralisia dos músculos e destruição do fígado. Provocava também alucinações.

Símbolo do declínio imperial

Com este contexto, a pintura ganha um significado novo – e talvez ainda mais perturbador.

Primeiro, podemos ver que o pincel de Velázquez aponta para uma mancha do mesmo vermelho na sua paleta, a mesma tinta de onde se originou o búcaro.

Pálida, a infanta também parece levitar do chão, efeito proporcionado pela sombra que o artista insere sob a barra do vestido em forma de paraquedas.

Os pais da infanta, cujas imagens flutuam diretamente acima do búcaro, começam a parecer espíritos holográficos projetados de outra dimensão em vez de meros reflexos num espelho.

De repente, vemos “As Meninas” não só como uma fotografia do momento, mas uma reflexão sobre a evanescência do mundo material e da inevitável evaporação do ser.

Ao longo de quase quatro décadas de serviço à corte, Velázquez testemunhou o declínio gradual do domínio de Filipe IV. O búcaro, um troféu das proezas coloniais e do poder imperial minguante, é o símbolo desse declínio e do desapego da miragem do agora.

[sc name=”assina” by=”ZAP” url=”https://www.bbc.com/portuguese/vert-cul-55100485″ source=”BBC”]

 

PARTILHAR

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

- Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está a …

Trovants, as estranhas "pedras vivas" da Roménia que intrigam moradores (e fascinam cientistas)

Costesti, uma pequena cidade na Roménia, é o lar de estranhas manifestações geológicas que intrigam os habitantes locais com a sua aparência orgânica. Estas "pedras vivas" inspiram mitos sobre a capacidade de crescerem e moverem-se …

Cientistas descobrem (acidentalmente) nova espécie de cobra que estava escondida, porém à vista de todos

Jeff Weinell, investigador no Instituto de Biodiversidade da Universidade de Kansas, descobriu que três espécies de cobras preservadas na coleção de biodiversidade, encontradas em missões entre 2006 e 2012, e ignoradas até agora, pertenciam a …

Cientistas criam mini robô que navega pelo sistema vascular cerebral

Uma equipa de cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, aproveitou a energia hidrocinética, a energia mecânica resultante do movimento de líquidos, para chegar a lugares do corpo humano sem recorrer a …

Cientistas podem ter detetado pela primeira vez o nascimento de um magnetar devido a uma colisão colossal

Há muito tempo, no Universo distante, uma enorme explosão de raios-gama libertou mais energia em meio segundo do que o Sol irá produzir durante a sua vida inteira de 10 mil milhões de anos. Depois de …

Flor com mais de 100 milhões de anos foi preservada até agora por âmbar birmanês

Um grupo de investigadores da Oregon State University identificou um novo género de uma flor do período médio do Cretáceo. Esta foi encontrada congelada no tempo por âmbar birmanês. George Poinar Jr., professor da Faculdade de …

Novo tratamento pode travar sintomas da covid-19

No Reino Unido, uma equipa de cientistas acabou de recrutar os primeiros participantes de um novo estudo de anticorpos de longa ação. Se o tratamento for eficaz, pode dar àqueles que já foram expostos ao …

Ondulações no espaço-tempo podem fornecer pistas sobre os componentes ausentes do Universo

Quase tudo encaixa na Teoria do Universo. Alguns cientistas defendem que as ondulações subtis na estrutura do espaço-tempo podem ajudar a encontrar a peça em falta. As ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço-tempo que …

O fumo dos incêndios florestais esconde uma ameaça pouco conhecida: micróbios infecciosos

Este ano foi especialmente problemático no que toca a incêndios florestais. Além das inúmeras consequências já conhecidas da inalação do fumo, há mais uma ameaça até agora pouco conhecida: pode ser uma nova rota de …

Califórnia vai ter os primeiros veículos de entrega totalmente autónomos

https://vimeo.com/498001611 Quase três anos depois de ter revelado o seu veículo de entrega autónomo, a startup Nuro teve finalmente luz verde para iniciar as operações comerciais na Califórnia. Embora seja um veículo totalmente autónomo, o R2 foi …