Ainda se constroem casas em sítios “indevidos” nos Açores

Zé Pinho / Flickr

Furnas do Enxofre, Açores

Furnas do Enxofre, Açores

O vulcanólogo Victor Hugo Forjaz alertou esta terça-feira para os riscos das construções em sítios “indevidos” nos Açores, salientando que as pessoas têm “memória curta”, apesar dos ensinamentos que foram retirados dos últimos sismos.

“Com o sismo de 80 passou-se a construir melhor, mas é preciso não esquecer o passado”, frisou, em declarações à Lusa, a propósito do lançamento do livro “Terramoto de 1980 – Memória e Sentimentos”, na quarta-feira.

O livro, de que Victor Hugo Forjaz é um dos autores, surgiu precisamente para avivar a memória dos açorianos, que, segundo o vulcanólogo, se esquecem de que a região não está imune a sismos.

“Eu e uns amigos reparámos que o sismo estava a ficar esquecido”, adiantou, salientando que o terramoto de 1980 foi “histórico” para a geologia nos Açores.

O livro tem uma “intenção pedagógica”, mas junta aos ensinamentos científicos textos sentimentais, segundo Victor Hugo Forjaz.

O sismo, com magnitude de 7,2 na escala de Richter, registou-se na tarde do dia 01 de janeiro de 1980, com epicentro a 35 quilómetros a sudoeste de Angra do Heroísmo. As ilhas Terceira e São Jorge foram as mais afetadas, tendo-se contabilizado 61 mortos.

Segundo Victor Hugo Forjaz, este foi o acontecimento geológico com “maior violência” nos Açores a seguir ao sismo de 1757, em São Jorge.

Na altura, o vulcanólogo já era diretor de um projeto geotérmico na ilha de São Miguel, mas foi o sismo de 1980 que levou à criação do Serviço Regional de Proteção Civil dos Açores e da rede de vigilância sismovulcânica da região.

Victor Hugo Forjaz realçou que o terramoto trouxe muitos conhecimentos, tanto ao nível científico, como para a construção de edifícios, apesar de ainda se encontrarem atualmente casas construídas junto à costa e perto de ribeiras.

O vulcanólogo aprendeu, por exemplo, que existe um “efeito de sítio” que faz com que as ondas sísmicas sejam mais aceleradas em determinados locais.

Quando fez o percurso do aeroporto a Angra do Heroísmo, na altura, encontrou uma vila longe do epicentro muito destruída, o que o levou a pensar que a cidade estivesse em pior estado, mas veio depois a descobrir que a justificação estava no “efeito de sítio”.

O livro “Terramoto de 1980 – Memória e Sentimentos” é lançado às 15:30 (hora local), na Biblioteca Pública e Arquivo de Angra do Heroísmo.

A cerimónia será precedida pelo toque dos sinos em todas as igrejas da ilha Terceira, em memória das 61 vítimas mortais.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

- Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está a …

Trovants, as estranhas "pedras vivas" da Roménia que intrigam moradores (e fascinam cientistas)

Costesti, uma pequena cidade na Roménia, é o lar de estranhas manifestações geológicas que intrigam os habitantes locais com a sua aparência orgânica. Estas "pedras vivas" inspiram mitos sobre a capacidade de crescerem e moverem-se …

Cientistas descobrem (acidentalmente) nova espécie de cobra que estava escondida, porém à vista de todos

Jeff Weinell, investigador no Instituto de Biodiversidade da Universidade de Kansas, descobriu que três espécies de cobras preservadas na coleção de biodiversidade, encontradas em missões entre 2006 e 2012, e ignoradas até agora, pertenciam a …

Cientistas criam mini robô que navega pelo sistema vascular cerebral

Uma equipa de cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, aproveitou a energia hidrocinética, a energia mecânica resultante do movimento de líquidos, para chegar a lugares do corpo humano sem recorrer a …

Cientistas podem ter detetado pela primeira vez o nascimento de um magnetar devido a uma colisão colossal

Há muito tempo, no Universo distante, uma enorme explosão de raios-gama libertou mais energia em meio segundo do que o Sol irá produzir durante a sua vida inteira de 10 mil milhões de anos. Depois de …

Flor com mais de 100 milhões de anos foi preservada até agora por âmbar birmanês

Um grupo de investigadores da Oregon State University identificou um novo género de uma flor do período médio do Cretáceo. Esta foi encontrada congelada no tempo por âmbar birmanês. George Poinar Jr., professor da Faculdade de …

Novo tratamento pode travar sintomas da covid-19

No Reino Unido, uma equipa de cientistas acabou de recrutar os primeiros participantes de um novo estudo de anticorpos de longa ação. Se o tratamento for eficaz, pode dar àqueles que já foram expostos ao …

Ondulações no espaço-tempo podem fornecer pistas sobre os componentes ausentes do Universo

Quase tudo encaixa na Teoria do Universo. Alguns cientistas defendem que as ondulações subtis na estrutura do espaço-tempo podem ajudar a encontrar a peça em falta. As ondas gravitacionais são ondulações no tecido do espaço-tempo que …

O fumo dos incêndios florestais esconde uma ameaça pouco conhecida: micróbios infecciosos

Este ano foi especialmente problemático no que toca a incêndios florestais. Além das inúmeras consequências já conhecidas da inalação do fumo, há mais uma ameaça até agora pouco conhecida: pode ser uma nova rota de …

Califórnia vai ter os primeiros veículos de entrega totalmente autónomos

https://vimeo.com/498001611 Quase três anos depois de ter revelado o seu veículo de entrega autónomo, a startup Nuro teve finalmente luz verde para iniciar as operações comerciais na Califórnia. Embora seja um veículo totalmente autónomo, o R2 foi …